In CAMPING, FREE CHIPS for ecological dishwashers

For any booking in VILLA PARADISU, WIFI OFFERED

All shops are open from April the 1st to November the 5th

A cultura e a identidade córsicas nasceram da história, do relevo e da insularidade...

Camping naturista na França, vagas, barracas mobiliadas
Casa de temporada 4 estrelas para turismo naturista na França
O Centro de Talassoterapia naturista

A cultura córsica

A cultura e a identidade córsicas nasceram da história, do relevo e da insularidade...

Da história, do relevo e da insularidade nasceu a identidade córsica. Sociedade agropastoril refugiada na montanha em razão das invasões, o povo corsa desenvolveu uma cultura ligada à terra, à família e aos seus antepassados, assim como à comunidade (clã, “pieve”, vilarejo). A religião católica dá ritmo à vida insular (procissões, confrarias, peregrinações, festejos…), o hino da nação córsica é um canto religioso dedicado à Virgem Maria: o Diu vi Salvi Regina.

Essencialmente oral, a cultura córsica se expressa pelo canto e pela língua.

A língua córsica originalmente é uma língua romana derivada do latim. Ao longo da sua história, ela sofreu a influência toscana e genovesa e, em seguida, aquela do francês que corresponde à época moderna. Coerente em seu conjunto, cada microrregião desenvolveu um modo de falar particular, com variantes fonéticas ou lexicais, especialmente no tocante aos nomes envolvendo a fauna, a flora e a vida pastoril. A língua córsica é a base da cultura. Vetor das tradições orais, ela se expressa desde o canto e as narrações: contos maravilhosos por ocasião das vigílias, cantigas de ninar, cantigas de roda, “chjama è risponde” que são duelos verbais improvisados e cantados, até os “voceru” e “lamentu” que acompanham a morte. A língua corsa era tradicionalmente a língua do dia a dia, sendo a língua administrativa reservada às potências dominantes. Apagando-se pouco a pouco com a modernidade, a língua corsa vive um renascimento a partir dos anos 1970. Ela é atualmente ensinada nas escolas e a sua co-oficialidade com o francês é uma forte reivindicação, tendo sido votada em 2013 pelos representantes eleitos para a Assembleia da Córsega.

Os cantos polifônicos, profanos ou sagrados, são emblemáticos da identidade córsica. Longe do folclore, trata-se de cantos vivos, testemunhos privilegiados da memória insular e dos acontecimentos do presente. As “Paghjelle” são originalmente cantos arcaicos, cantados pelos pastores, cujas letras poéticas evocam os acontecimentos da vida. Compostos por três vozes (a “Seconda”, o “Bassu” e a “Terza”), elas acompanham as festas sociais ou religiosas. Os cantos polifônicos sagrados estão desde sempre integrados à pratica religiosa dos córsicos. Eles marcam as festas religiosas, as procissões e as missas, o mais conhecido de todos é “Diu vi Salvi Regina”. O canto em “paghjella” profana e litúrgica da Córsega está inscrito desde 2009 na Lista do patrimônio imaterial da UNESCO.

Descobrir a Córsega...

Espaço
  • A fauna córsica

    Pássaros, mamíferos, anfíbios...

  • A flora córsica

    Espécies selvagens e endêmicas...

  • As paisagens córsicas

    Praias e montanhas nevadas...

  • Os produtos regionais

    Produtos córsicos a serem degustados...

  • O patrimônio córsico

    O patrimônio construído da ilha...

  • A gastronomia córsica

    Descobrir a cozinha tradicional córsica...

  • A Córsega na França

    A Córsega é uma região francesa...

+33 (0)4 95 38 81 10
AlojamentoEspaço Parcela

Qualité Tourisme - Logotipo